Artigo escrito por Jorge Jatobá e publicado originalmente no Jornal do Commercio em 21 de Setembro de 2021

A inflação quando alta e persistente compromete o funcionamento do sistema de preços, dificultando o planejamento de empresas e famílias. Ela também cria ilusão monetária sobretudo para os governos porque as receitas nominais são aumentadas na boca do caixa enquanto o valor real das despesas é reduzido segurando as saídas do tesouro. A inflação penaliza os mais pobres, especialmente em uma economia parcialmente desindexada, porque retira o poder de compra da renda, em geral, mas especialmente do rendimentos do trabalho. Nos últimos doze meses, a perda real da massa salarial foi de aproximadamente 6,0%

A inflação está rodando nos últimos doze meses em 9,68%, devendo atingir dois dígitos no próximo mês, se aproximando das taxas inflacionárias observadas em 2016. Para piorar, as expectativas inflacionárias não estão mais ancoradas no centro da meta e do seu intervalo de tolerância (3,75% mais ou menos 1,5%) para 2021, o que deve conduzir o Banco Central a elevar a taxa básica de juros em mais 1 ponto percentual na reunião o COPOM que se realizará amanhã. Elevação da taxa de juros no contexto de previsões decrescentes de crescimento para este ano (em torno de 5,0%) e no próximo (menos de 1,5%) conduz o país a ir à sombra do estagflação, uma combinação perversa de alta inflação com baixo crescimento econômico, gerando um indesejável ciclo vicioso do qual não é fácil escapar. Mercado e governo já preveem, com algum otimismo, que a inflação no final de 2021 e situará m pouco acima do 8,0% com a Selic alcançando patamar superior.

Preocupa adicionalmente que as expectativas adicionalmente que as expectativas de inflação pelo BACEN para 2022 (3,75%) já se situem acima da meta de inflação para aquele ano (3,5%) embora dentro do intervalo de variação de 1,5% para cima ou pra baixo.

Para que haja nova ancoragem com as expectativas convergindo para o centro da meta é necessário que política monetária e política fiscal caminhem juntas. O Banco Central, agora independente, não pode tudo. Se o Governo Bolsonaro escorregar para um populismo fiscal de caráter eleitoral, a inflação, com todas as suas repercussões negativas não vai ceder. Se índice de contaminação de preços, agora em 72%, se manter elevado e se a inercia inflacionária, processo pelo qual a inflação passada contamina a futura se aprofundar, o controle de inflação vai ficar muito difícil. A questão fiscal que envolve o respeito ao teto no orçamento de 2022 e a negociação sobre o adiamento de parte dos precatórios devidos naquele ano são centrais para definir o futuro d inflação, monstro devorador do sistema de preços e da estabilidade macroeconômica. Não subestimemos a inflação e tenhamos medo dela. Incontrolada, ela é implacável.

Jorge Jatobá é doutor em economia

Deixe um comentário